15 de maio de 2007

Dinheiro no colchão


Hora de dormir. Visto meu pijama de seda com ursinhos estampados, coloco a venda nos olhos para que a luz da manhã não interrompa as projeções do subconsciente antes do esperado, puxo a cordinha do elefantinho-móbile que fica bem acima da minha cabeça e o Trombinha do Trompete começa a tocar uma versão de “Rain drops keep falling on my head” que seria classificada como “fofa” por qualquer menina entre 12 e 19 anos. Tudo pronto? Todos em seus lugares? Me posiciono confortavelmente na minha cama de molas ensacadas Esquilo - 10 anos de garantia ou seu sono de volta - e atenção emissoras para o toque de 12 carneirinhos.

Tu. Tu. Tu. Tu. Tu. Tu. Tu. Tu. Tu. Tu. Tu. Tu…

Pronto, aqui estou eu no meu sonho. Lá atrás temos os montes Apeninos com calda de caramelo no topo, logo ali vemos uma família de sapos que pulam corda e dois ornitorrincos que brincam de “pé-ou-garra”. Conhece essa? É uma espécie de par-ou-ímpar onde eles ficam com os braços pra trás e, ao dizer “três”, colocam a pata de pato ou a garra pra frente.

Opa, calma aí. Não queria parar o conto dessa forma, mas tenho uma dúvida no nível “Pergunta Super Interessante”. Seria pé de pato ou pata de pato? Alguém aqui já fez mergulho? Na única vez em que eu tentei, estava com uma pedra amarrada no pé. No entanto, lembro que os homens que foram me salvar estavam com pé-de-pato. É isso. A palavra certa deve ser “pé”. Além do mais, confundiria o tal membro com a mulher do pato e isso ia acabar dando merda. De pato pra patinho-feio-que-dorme-no-sofá é um pulo.

Por falar em pulo, e o coelho? Ok, você pensou que o assunto tinha acabado, mas essa dúvida merece dois parágrafos. É pata de coelho ou pé de coelho? Cacete, daqui a pouco eu vou descobrir que nós é que temos pata. E aí? Pé ou pata? Acho que é pé e defendo com uma lógica simples: toda pata que dá sorte tem que ser promovida a pé. Pronto. Chega.

Isso équeu preciso: muita sorte. Ou você acha que eu gosto de sonhar para poder ver unicórnios e bichinhos legais? Ah, vai tomar um ácido. Eu sonho para poder vislumbrar uma imensa luz radiante de como ficar milionário. Quero mais é que money notes keep falling on my head.

Certa vez, sonhei que estava chegando de carruagem em um festa. Até aí, eu tinha começado bem, mesmo sem ter motorista. Apesar da chuva de beterraba que estava caindo nessa hora, não deixei o veículo dourado com o manobrista e fui parar na rua mesmo. Levei uns 15 minutos pra fazer a porra da balisa. Tá achando graça? Por acaso já tentou estacionar carruagem? Não tem espelho retrovisor nem muito menos lateral. Quando eu consegui, lá veio o guardador:

- Pode deixar com a gente, monarquia.

Olhei bem para aquele rosto de sapo que não ganhou beijo da princesa e ele complementou com um susurro:

- Quer ficar milionário, não é? Falsifique moedas e assim será.

Depois daquela, nem entrei na festa. E me diz pra quê? Que mané sonho. Dei logo um jeito de acordar me balançando todo. O guardador achou que aquilo fosse uma convulsão estilo Ronaldinho em umas Copas atrás e queria porque queria desenrolar a minha língua com aquela mão suja. Sorte que eu acordei antes.

Quer dizer, sorte uma ova. Pare de ler, vasculhe seu acervo mental cinematográfico e responda: conhece algum bandido que resolveu falsificar dinheiro e escolheu moedas ao invés de notas? Óbvio que não. Só o burro aqui para pensar que isso poderia dar certo. Comprei cobre, uma máquina industrial, contratei dois ajudantes que trabalhavam lavando carro lá embaixo e comecei a produzir. Resultado: para cada 1 Real que eu fiz, gastei 5. Agora pergunta se eu encontrei de novo aquele guardador de carro? Nem em sonho.

Bom, mas essa aqui é uma nova chance. Tá lá os Apeninos, os sapos, os ornitorrincos e eu pelado. Não liguem: eu já me acostumei. No começo fiquei achando que era coisa de mente de tarado reprimida, que essa pouca vergonha era uma forma de botar pra fora. Nada disso. Eu notei que chamava mais atenção no sonho quando estava nu e isso aumentavam as chances de alguém olhar mais pra mim do que para aquelas zebras que ficam contando as litras uma da outra, por exemplo.

Notou quanto bicho tem nesse sonho? Se eu fosse fazer uma fezinha, ia demorar duas décadas para saber em que animal teria que apostar. Xô, contravenção. Sai do meu sonho, seu viado 24. Por falar nisso, lá vem um porco de porcelana todo pintado, mas com aquele futum característico da espécie.

- Oi.
- Oi, amigo – disse com uma voz anasalada porque estava tampando o nariz.
- Sabe aquela história de falsificar moeda?
- Sei.
- Pois é, eu sou o guardador – e remexeu a pança, fazendo tilintar os níqueis lá dentro.
- Ah, não… volta aqui. Vem que eu te quebro, seu filho da puta.

11 comentários:

MH disse...

tem gente que toma um chazinho de cogumelo e senta na frente do computador pra escrever...

agora, elefantinho, trombinha no trompete... meio fálico, não?

vai, doido, mãos pra trás... pá-ou-garra?
garra, ganhei!

Ana Téjo disse...

Rods,
Já pensou em mandar os roteiros desses sonhos pro David Lynch? Não. Viajandão demais pra ele.

E eu, uma respeitável mãe de família, sentada ao lado desse maluco o dia inteiro. Chuva de beterrabas, hein? Vai manchar o pijama de ursinhos. Aff!

Fabiana disse...

O que vc comeu antes de dormir?

Toma mais cuidado.

Gastón disse...

Sim meu cumpadre, sonhos licérgicos. Todo mundo levando a pata à cabeça. Ou seria a mão? Mão ou pata? Ou pé? Deixa eu calar o bico.

Fernanda Salgado disse...

Eu sou burra... Não entendi a parte das zebras.

Rodolfo Barreto disse...

@Mh
- Pé!
- Garra!
- Já!

@Ana Téjo
Esse sujeito é louco mesmo. Ainda bem que eu não lembro nunca dos meus sonhos.

@Fabi
Ele deve ter comido beterrabas batidas com ornitorrinco no liquidificador.

@Gastones
Isso ainda é um mistério no reino animal e já deve ter muito leão falando que tem pé por aí.

@Fernandoca
Hahaha. Você nunca viu duas zebras contando as listras uma da outra?? Não acredito... é uma coisa extremamente normal.

Claudia Aleixo disse...

Adorei!!! Mas o porco é que me chamou mais a atençao....Sempre que começo a encher um porquinho, não consigo esperar de verdade, quebro antes. Nunca consegui encher um porquinho até o fim. Por isso tô sempre sem dinheiro epra variar não sei jogar no bicho por isso nem tento quando sonho com algum animal. Não tenho sorte no jogo!!
Beijos

Ana disse...

Rodolfo, adorei seu conto! Ri muito!
Vi seu link no flickr da minha amiga "La Mariposa"! rsrs
Imagina se os ornitorrincos resolvessem jogar "Pedra, papel e tesoura"?
aff... que confusão dos diabos com tantos bichos... ;-)
Bjo
Ana.

Rodolfo Barreto disse...

@Claudia
Aê... pareceu :)
Porco é igual Gambá: se fizer mal pro bicho, a coisa fede.

Oi Ana!
Seja bem-vinda, uai!
É sempre legal receber amigos de amigos. Vou lá na casa de vocês depois. Posso?
Bj!

anna O. disse...

hahaha, genial, o capeta disfarçado de guardador de carro e cofre-porquinho!
agora, o melhor foi "Trombinha do trompete". Meio jazzístico até... ;-)

Aline disse...

Sensacional, esse! Gostei de tudo, mas o início é sensacional. Daqueles que você já começa a ler sabendo que vem coisa boa por aí!

Mais beijinhos.

Aline