13 de junho de 2008

Dois Corações


“Estamos aqui, na Maternidade Santa Maricota, lugar onde acaba de nascer o primeiro bebê com dois corações do mundo. Olá, tudo bem? Aqui ao meu lado temos o médico que…”

Ele nasceu filho da notícia. Em um mundo onde é cada vez mais normal ter gente sem coração, aparece logo um moleque com dois. Sensacional. Nem preciso dizer que tava todo mundo amontoado na frente do hospital. Volume parecido de gente nunca tinha acontecido igual. Nem mesmo quando o circo chegou trazendo mulher barbada e elefante anão. Foi um alvoroço naquele lugar esquecido por Deus. Uma cidade tão esquecida que ninguém mais lembrava o nome e acabaram rebatizando-a de Dois Corações.

“… mas, doutor, o que é melhor fazer agora? Corre risco de vida? Ele fica ou não com os corações?”

O sim prevaleceu e lá foi Severino ser escolhido para viver uma vida toda com ventrículos e átrios em dobro. Nos tempos de escola, perfilava junto aos demais alunos para o hino nacional. Apesar de nunca ter decorado a segunda parte da letra e alguns pedaços retumbantes, era o único que não corria o risco de errar a mão em relação ao lado certo do peito.

Toda essa fama fazia com que a íris das meninas refletissem pequenos corações que iam flutuando até estourarem em um desesprezo qualquer.

Ele não tinha o mínimo interesse no amor e não adianta ficar assuntando no ouvido. Não que o sucesso havia subido à cabeça, nada disso. A vontade de ter uma namorada ou um relacionamento em categoria aspirante não era merecedor de muita atenção e pronto.

Severino era dado a outros prazeres. Entre os preferidos, comer até se empanturrar. Encher o bucho pra valer - que, por sinal - era um só. Nada de alimentação com ômega 3 enriquecido com 8 mineirais e cálcio. Sua especialidade era gordura equilibrada com frituras da pior qualidade. Aí já sabe: um dia Severino teve um treco comendo uma coxinha no boteco.

E lá se foi o tumulto pro hospital novamente. O pessoal do folhetim já tava lá de prontidão, quando o médico saiu.

“Severino passa bem. Fizemos a cirurgia de modo que…”

O danado teve foi sorte. Enquanto um coração tava entupido, o outro continuou fazendo seu trabalho, livrando Severino da morte certa. No dia seguinte, o cabra saiu andando do hospital mas não tinha mais uma alma viva lá fora. Afinal, que graça tem um homem com um coração só?

Em meio à uma cidade que pulsava invonluntariamente, sentiu, pela primeira vez, um vazio no peito. Olhou para os lados, escolheu um caminho e seguiu em busca de um outro coração para bater bem perto do dele.

20 comentários:

Tiago Fidelis Moralles disse...

Um dia depois, mas senti uma sutíl homenagem ao dia dos namorados. Fala a verdade, foi inspiração.
Bacana, gostei.

Rodolfo Barreto disse...

@tiago
Exatamente, cara. Essa foi uma homenagem aos corações que batem por aí ;) Abraços!

ANNA disse...

Eu não dou conta de um...

Será que o Pelé tem 3?

É incrível como vc consegue fazer uma estória ser engraçada, emocionante e triste ao mesmo tempo!

Tiro o meu chapéu sempre para vc!

MH disse...

DEMAISSSSSSSSSSSSSS pra variar. Lembro que uma vez eu escrevi uma historinha sobre uma menina que não tinha coração...mas a sua é mais legal...(TAMBEM O CARA TEM DOIS CORAÇÕES, MO EXIBIDAO)

Anônimo disse...

Meus dois cérebros ficaram chapados com tanta boniteza.

zo.e.

Rodolfo Barreto disse...

@anna
Haha. Excelente comentário.
O pelé tem pelo menos 2. Afinal, ele é do tempo que jogador de futebol colocava o coração no bico da chuteira antes de entrar em campo ;)

@mh
Opa! Onde está a sua? Manda o link depois!

@Zo.e
Obrigado, Chiquirina ;)

sharon disse...

só pra avisar que vou plagiar a idéia. esfreguei, esfreguei... sabonete líquido loccitanne com esponja macia e nada de sair de mim. então, vou plagiar. :* da fã com saudade.

naturline disse...

Lindo blog, delícia de ver e de sentir.
Parabéns!

Violet Scott disse...

Eu gosto. Gosto muito.
Beijos, VS.

Amarilis disse...

Bonito, poético e surpreendente.

Heloisa Emy disse...

Adorei o texto! Bem escrito, bonita imagem, e sensível!

Dei uma passeada pelo blog, gostei do que li!

Beijo!

Nayra Garofle disse...

Nossa! Bacana esse blog hein? Primeira vez que passo por aqui. Parabéns!

Rodolfo Barreto disse...

@sharon
Pode fazer transplante de idéia a vontade.
;)

@violet
obrigado!

@Amarilis, Heloisa e Nayra
Sejam bem-vindas sempre :)

Míope disse...

Excepcional!

Só isso a dizer.

Abç!

Maria Dalva disse...

Vi sua entrevista no blog do flickr e caí aqui no seu blog...
Gostei dos seus textos, você escreve muito bem! :o)

*juju* disse...

rods, uma das melhores coisas que li ultimamente. e que tocou meu coração.

Fabi Secches disse...

Que lindo. Faz a gente sentir vontade de rir e chorar. Ao mesmo tempo. É minha primeira vez aqui no blog, mas adorei. Bjos

marina disse...

muito bom!

Luise Costa Lima disse...

Muito bom, rô! Esse eu fui ler hoje, pra conhecer mais desse estilo que está se desenrolando, sem pressa nenhuma, como que gosta de viver. Queremos o segundo livro!

Luise Costa Lima disse...

Muito bom, rô! Esse eu fui ler hoje, pra conhecer mais desse estilo que está se desenrolando, sem pressa nenhuma, como que gosta de viver. Queremos o segundo livro!